10 mitos sobre primeiros socorros de crianças

filhos-em-apurosDa redação

Conheça mitos sobre cuidados com crianças.

Quando a criança engasga, é preciso sacudi-la e fazê-la olhar para cima: O engasgo certamente é o que mais preocupa os pais de crianças pequenas. No entanto, eles devem ter em mente que, muitas vezes, a criança engasga mamando ou comendo e desengasga sozinha. Caso ela tenha engasgado por ter ingerido algum corpo estranho, deve-se pedir a ela que levante a cabeça e olhe para cima. Sacudi-la pode piorar a situação, já que o corpo estranho pode descer ainda mais causando obstrução das vias aéreas. Se a criança tiver menos de um ano, a recomendação é virar o bebê de bruços em cima do braço e, com uma mão, sustentar a cabeça e o corpo da criança. Dê tapinhas nas costas até que o corpo estranho seja eliminado. Caso a criança seja mais velha, os pais devem aplicar a manobra de Heimlich. Abraçar o filho pelas costas, na altura do peito, e fazer compressão com a mão para dentro e para cima ao mesmo tempo, até que o corpo estranho seja expelido.

É preciso jogar água para despertar a criança desmaiada: O desmaio não é uma coisa comum em crianças pequenas, portanto, é importante descobrir o que causou essa indisposição, se foi porque ela não se alimentou e foi praticar esporte, por exemplo. Primeiro, os pais devem ter certeza de que o batimento cardíaco e a respiração da criança estão preservados. Se o peito estiver movimentando, mas a criança tiver caído bruscamente quando perdeu a consciência, ela pode ficar com traumatismo na coluna. Portanto, o ideal é não mexer nela, acionar um serviço de emergência e ficar ao lado dela, esperando que ela desperte. Ainda que o desmaio assuste, não há necessidade de jogar água no rosto ou qualquer outra coisa do tipo, pois a criança vai se recuperar. No entanto, se a criança não estiver respirando, ela pode ter tido uma parada cardiorrespiratória. Nesses casos, os pais devem fazer manobras de ressuscitação. Nos bebês, é preciso comprimir o tórax, logo abaixo da linha dos mamilos, usando dois ou três dedos para fazer as compressões. Já nas crianças, a compressão é feita sobre o osso esterno, no centro do peito. Ponha a parte mais dura da palma sobre esse osso e depois coloque a outra mão em cima da primeira. Com os cotovelos esticados, pressione firme para baixo, afundando o peito da criança, e deixe-o voltar à posição inicial, para repetir o movimento.

Se a criança se cortar, jogue açúcar ou pó de café no local do sangramento: A palavra-chave para conter os sangramentos é fazer pressão no local do corte. A primeira recomendação é limpar a região com água corrente, pegar uma gaze ou um pano limpo e comprimir com força até parar de sangrar. Se mesmo com a compressão, o sangramento continuar intenso, pode haver alguma lesão arterial, portanto, mantenha a pressão e vá ao hospital. Caso o corte tenha sido provocado por um caco de vidro grande ou uma faca, por exemplo, a recomendação é não retirar o corpo estranho e ir direto para o pronto-socorro. Se o corte for muito profundo, ao tirar o objeto, pode-se piorar a lesão. Os especialistas também não recomendam fazer torniquete (que é amarrar uma faixa para interromper a circulação sanguínea até a área ferida).

Se a criança se intoxicar, basta forçar vômito ou dar leite: A primeira coisa que os pais devem fazer é ligar para o Centro de Controle de Intoxicações (cada cidade tem o seu) de sua região para informar o que a criança ingeriu e qual foi a quantidade, pois eles passam, por telefone, uma recomendação do que deve ser tomado. Caso os pais não saibam o que a criança ingeriu, eles não devem induzir vômito ou dar leite, pois, dependendo da substância, essa ação irá corroer o trato digestivo. Os pais que preferirem levar a criança direto a um hospital devem sempre levar a substância que foi ingerida pela criança para os profissionais.

Após a criança bater com a cabeça, ela não pode dormir: Em geral, o crânio é um capacete natural que protege o cérebro. Quando a criança bate com a cabeça, os pais devem buscar um hospital para checar se há algum sangramento interno, quando a criança está vomitando ou tem dores de cabeça persistentes. Essa questão de não deixar dormir é controversa. O importante é avaliar a criança nas primeiras oito horas após a queda. Se o filho estiver esquisito, andando estranho, avoado, não falando coisa com coisa e mais pálido do que o habitual, esses podem ser sinais de que a criança está com algum problema. No entanto, caso ele não apresente nenhum desses sintomas, ele pode dormir normalmente.

Se a criança sofrer uma fratura, tente colocar o osso no lugar: Caso a criança sofra um acidente e tenha uma fratura, os pais devem fazer o máximo para deixar a região imobilizada e jamais tentar colocar o osso no lugar, pois essa ação pode lesar vasos e nervos da região. Os especialistas recomendam dar um analgésico para alívio da dor e levar a criança para o hospital. Para transportar a criança com segurança, é preciso colocar o membro sobre uma superfície rígida, imobilizado, para que ele mexa o menos possível durante o trajeto até o pronto-socorro.

Quando a criança está convulsionando, não pode deixar a língua enrolar: A convulsão clássica –quando a criança perde o sentido, cai no chão com tremores e olhar fixo, fica com o lábio arroxeado e solta baba– assusta muito os pais. No entanto, eles nada podem fazer até que a convulsão acabe. Durante a crise, é importante proteger a criança, evitar que a cabeça dela fique batendo. Caso ela morda a língua ou o lábio, não tente impedi-la, pois isso deve ser cuidado posteriormente. Os pais não devem tentar enfiar nada na boca da criança. Após o término da convulsão, leve-a para o pronto-socorro mais próximo –de preferência, já ligue para o local avisando que chegará com o filho. No hospital, o médico poderá fazer os exames necessários para descobrir a causa da convulsão.

Se a criança tiver um membro amputado, não tem como reimplantá-lo: Caso aconteça um acidente que ampute algum membro da criança, é importante agir rapidamente para que os médicos possam reimplantá-lo. Lave bem rápido a parte amputada em água corrente e enrole-a em um pano limpo ou em uma gaze. Posteriormente, coloque-a em um saco com identificação e depois acomode-a dentro de um segundo saco ou de um isopor com gelo, para levar para o hospital. O membro nunca deve ser colocado diretamente no gelo, pois este provoca queimadura na região, impedindo a reimplantação.

Se a criança teve uma queimadura, basta colocar café ou pasta de dente: Se ela se queimou com água ou óleo fervendo, os pais devem jogar água sobre a área imediatamente. Como a pele está muito aquecida, a água interrompe esse processo, baixando a temperatura da pele e diminuindo a extensão do ferimento. Essa ação também irá aliviar a dor que a criança está sentindo. A recomendação é não passar nenhuma substância (pomada, café, pasta de dente ou qualquer outro creme), pois ela pode contaminar a área. Se a queimadura for oriunda de um produto químico em pó, tente varrer o produto e não jogue água, pois, às vezes, ela pode reagir com a substância química. Por fim, se houver bolhas, não rompa, pois é a proteção natural da área queimada. Esse procedimento deve ser feito apenas dentro do hospital por um médico ou enfermeiro para diminuir os riscos de contaminação.

Se o dente permanente caiu, não tem como reimplantá-lo: Caso um dente permanente da criança caia por conta de algum acidente, os pais podem preservá-lo para que o dentista reimplante posteriormente. Para isso, é preciso lavar o dente com água limpa corrente o mais rápido possível e conservá-lo em algum recipiente com soro fisiológico. Caso os pais não estejam em casa, basta colocar o dente em um pote com leite e ir o mais rápido possível para uma clínica de odontologia com plantão.