Cuba lidera campanha contra o Brasil

dilma-1-dolar-14Sem se intimidar pela reação do cancheler José Serra de criticar abertamente as declarações dos governos bolivarianos em relação aos acontecimentos políticos no Brasil, a diplomacia de Cuba faz campanha nos órgãos internacionais contra o governo de Michel Temer.

O Estado obteve com exclusividade um e-mail enviado pela missão de Cuba perante às Nações Unidas para mais de uma dezena de organismos internacionais, alertando para o “golpe” no Brasil.

Na mensagem datada de 15 de maio, o governo cubano descreve o conteúdo da declaração como sendo “sobre o golpe do estado parlamentário e judicial no Brasil”. Em anexo, os diplomatas que abriram o documento poderiam ler a declaração assinada em Havana no dia 12 de maio, e já publicada, que acusava Temer de ter “usurpado o poder”, apoiado pela “grande imprensa reacionária e o imperialismo”.

Não há o que refutar nas acusações feitas pelo regime cubano, já que este representa exatamente a antítese de qualquer conceito de civilização e democracia. A questão que se coloca aqui é bem outra: que durante os anos de petismo, o partido do plano criminoso de poder se aliou com um inimigo do Brasil, e de como continuam a conspirar contra o povo brasileiro. E é claro: considerando o conceito que eles tem de democracia e direitos humanos, temos que entender que qualquer um simpático aos Castro se trata de um inimigo em potencial.

Tão certo como o dia e a noite é a participação de Dilma Rousseff e Lula nessa conspiração contra a soberania brasileira. Eles tem se movimentado nos bastidores da diplomacia para sabotar o próprio país, já que para eles só importa a hegemonia política e a maldita narrativa petista. Vale lembrar que cerca de dois meses atrás, um funcionário do Itamaraty enviou alerta de que havia um golpe em curso para todas as representações diplomáticas do Brasil no exterior. Após o escândalo, o ministro Mauro Vieira ordenou que as mensagens fossem anuladas e seu conteúdo desconsiderado Afinal de contas o estrago já estava feito. O diplomata militante era petista, e certamente não agiu sozinho. Prova disso foi a pífia punição: ele foi advertido e proibido de emitir mensagens e telegramas. Fica evidente a conspiração, já que o crime cometido por Rondó foi de lesa pátria, e deveria ser punido com a demissão.  Se isso não aconteceu, é porque ele foi protegido.

Notem que o mesmo regime que pede punição contra o Brasil é exatamente o mesmo que pede o fim do embargo, que tem simulado uma abertura política para enganar idiotas e sustentar sua política da morte. É esse o governo que seduz intelectuais e artistas do mundo livre, gente que diz que a saída para a democratização da ilha presídio passa necessariamente pela concessão de benesses aos irmãos carniceiros que dominam a ilha há mais de meio século. Por incrível que pareça, até liberais tem caído nas armadilhas retóricas de quem conspira contra a liberdade ao acreditarem que o fim do embargo representa o enfraquecimento dos comunismo castrista. É mentira. O Regime castrista não está nem um pouco interessado em restabelecer a democracia para seu povo, pelo contrário, o que aqueles psicopatas desejam é ampliar seu domínio do mal para os demais países da América Latina. Não pensem que isso se resume ao Porto de Mariel ou a simples amizade com o PT.

Quem lê a biografia de Juan Reinaldo Sanchez, ex guarda-costas de Fidel, vê como o regime buscou construiu sua própria versão de imperialismo soviético ao interferir na política interna de países africanos e latino-americanos por meio de movimentos de extrema-esquerda. O que Fidel, Che e Raul pretendiam era exercer no Ocidente o mesmo papel da União Soviética no Leste Europeu. Aliás, o mesmo livro cita Lula como uma das crias de Fidel ainda nos anos 80. A tese de que o comunismo não representa mais perigo é apenas um refúgio para os simplórios e uma arma para quem quer nos ver como escravos. O governo brasileiro deve manter a mesma postura que demonstrou naquelas duas primeiras notas, a começar por acabar com o programa Mais Médicos e com todos os convênios do governo com a ilha-presídio. Já está claro que esses repasses só servem como financiamento daquela ditadura, e o dinheiro do contribuinte brasileiro merece uma finalidade melhor. Temos que mostrar para esses tiranos que ainda há homens no Brasil.

Fonte: Estado de São Paulo