Início Eleições Campanha de Trump processa Pensilvânia alegando sistema de votação ilegal com padrões...

Campanha de Trump processa Pensilvânia alegando sistema de votação ilegal com padrões diferentes

A campanha do Presidente dos EUA, Donald Trump, processou a Pensilvânia na segunda-feira (9), alegando um sistema de votação ilegal de “2 camadas” nas Eleições Gerais de 2020. A ação argumenta que a votação presencial verificou adequadamente os eleitores, enquanto a votação pelo correio “carecia de todas as marcas de transparência e verificabilidade que estavam presentes para os eleitores presenciais”.

Em um comunicado tratando da ação, a campanha de Trump disse que o processo de votação por correspondência da Pensilvânia, por meio do qual 2,65 milhões de votos foram processados, teve vários problemas, incluindo “não verificar adequadamente a identidade do eleitor, permitindo que as cédulas recebidas até três dias após a eleição serem contadas sem qualquer evidência de correspondências oportunas, como um carimbo do correio, e negando monitoramento suficiente sobre a revisão e contagem de cédulas de correio”.

processo pede um mandado de segurança para impedir o estado da Pensilvânia de certificar seus resultados eleitorais “que incluem a tabulação de votos ausentes e enviados pelo correio para os quais os observadores dos Requerentes foram impedidos de observar durante a pré-campanha e campanha nos Conselhos Eleitorais do Condado”.

No estado da Pensilvânia, o candidato democrata à presidência Joe Biden aparentemente obteve 3.366.926 votos contra 3.320.670 de Trump, uma diferença de cerca de 0,7 pontos percentuais. Trump liderou Biden na contagem de votos da Pensilvânia na noite da eleição e por vários dias depois, mas Biden acabou assumindo a liderança na votação, segundo essa contagem questionada pelos republicanos. No sábado, vários meios de comunicação da grande mídia publicaram matérias em que Biden seria ‘o vencedor no estado’ recebendo os 20 votos eleitorais dali, projetando-o além do limite de 270 votos eleitorais necessário para ganhar a presidência.

ação da campanha de Trump aponta para a Secretária de Estado da Pensilvânia, a democrata Kathy Boockvar e, em seguida, o conselho eleitoral do condado de Allegheny, Centre, Chester, Delaware, Filadélfia, Montgomery e condados de Northampton.

Muitos eleitores também receberam cédulas não solicitadas pelo correio, de acordo com o processo, e em alguns casos foram informados, quando iam votar pessoalmente, que deveriam votar pelo correio. Nos casos em que os eleitores optaram por votar pessoalmente, o processo levanta mais preocupações sobre a exigência da Pensilvânia de que aqueles que votam pessoalmente anulem sua cédula por correio em seu local de votação no dia da eleição e, em seguida, votem pessoalmente.

“Em vários condados, os observadores das urnas observaram os funcionários eleitorais manipulando mal as cédulas de mala direta ou ausentes levadas ao local de votação por eleitores que pretendiam votar pessoalmente”, afirma o processo. “Em vez de descartar as cédulas anuladas de forma segura, as cédulas anuladas foram colocadas em caixas sem segurança ou em pilhas de papel, apesar dos protestos dos eleitores ou observadores das urnas. Por exemplo, no condado de Center, um funcionário de pesquisa de boca de urna observou que cédulas de correio estavam sendo indevidamente estragadas. Os trabalhadores colocaram as cédulas pelo correio, devolvidas ao local de votação pelos eleitores pessoalmente em uma sacola, sem escrever ‘nulo’ nelas ou destruí-las de outra forma.”

O processo alega ainda que funcionários eleitorais no condado de Center testemunharam pessoas chegando às seções eleitorais no condado e admitindo que eram eleitores de Nova Jersey, mas receberam cédulas provisórias para votar na Pensilvânia.

No condado de Chester, o processo alega que um observador testemunhou problemas com um funcionário eleitoral responsável por verificar votos votados em excesso; uma instância em que mais do que o número permitido de candidatos são selecionados em uma corrida. A ação alega que o funcionário eleitoral alterou a cédula votada, mudando os votos que haviam sido marcados para Donald J. Trump para outro candidato.

No condado de Delaware, o processo alega que os votos foram contados em uma sala nos fundos, onde o acesso do observador era limitado.

O processo também alega que “condados com forte concentração de democratas engajados em atividades pré-campanha antes de 3 de novembro de 2020, analisaram as cédulas recebidas pelo correio em busca de deficiências, como a falta de envelope de sigilo interno ou a falta de assinatura do eleitor na parte externa envelope de declaração.”

O processo alega que condados com tendências democratas engajados em atividades de pré-campanha estariam em contato com os eleitores para “sanar” as deficiências encontradas em suas cédulas, enquanto “condados com forte influência de republicanos seguiram a lei e não forneceram um aviso e processo de reparação, privando de direitos aqueles que cumpriram o Código Eleitoral para obter votos legais”.

Arizona

O processo na Pensilvânia é um dos vários movidos pela campanha de Trump desde o dia das eleições. No fim de semana, a campanha entrou com um processo no Arizona, alegando problemas com as máquinas de tabulação de votos e as subsequentes instruções erradas dos funcionários eleitorais que levaram à rejeição de numerosos votos sem um processo apropriado para revisar as cédulas rejeitadas.

Michigan

No estado do Michigan, a campanha de Trump também iniciou uma ação no tribunal federal em uma tentativa de impedir que Michigan certifique seus resultados até que o processo de votação possa ser revisado. O processo alega vários casos de prevaricação eleitoral e inclui declarações juramentadas, disse Matt Morgan, conselheiro geral para a campanha de reeleição de Trump, durante uma chamada à imprensa.

A equipe de Trump alega que um reclamante que foi “credenciado e treinado como um observador eleitoral” foi “excluído do conselho de contagem durante o processo de revisão das cédulas eleitorais ausentes.” Um juiz de Michigan decidiu contra o processo na quinta-feira.

O novo processo federal alega que muitos observadores eleitorais republicanos no condado de Wayne, onde Detroit está localizada, foram excluídos do processo de contagem de votos ausentes e foram intimidados e assediados. A ação também requer informações sobre a tecnologia de votação usada em todo o estado, depois que uma ‘falha’ na atualização do software no condado de Antrim resultou em 6.000 votos sendo tabulados incorretamente para Joe Biden em vez de Trump.

Fonte: Conexão Política

Deixe uma resposta