Início Política Brasil Casos de estupro de vulnerável sobem 22,2% no ABC em julho

Casos de estupro de vulnerável sobem 22,2% no ABC em julho


A Secretaria de Segurança Pública do Estado divulgou na última sexta-feira (23), os dados da criminalidade em relação ao último mês de julho. Em comparação com o mesmo período de 2018, a região teve alta de 22,2% nos casos registrados de estupro de vulnerável. Do outro lado, apresentou queda de 26,5% em relação ao roubo de veículos, com vantagem para as cidades que contam com o sistema Detecta.

As delegacias das sete cidades registraram 36 casos de estupro de vulnerável no mês passado, oito a mais do que o apresentado no relatório de julho de 2018. São Bernardo foi a cidade que apresentou a maior subida nos dados, saindo de seis e chegando a 13 ocorrências, mesmo número de Santo André que anteriormente tinha sete registros.

São Caetano também apresentou alta de dois para três casos. Ribeirão Pires repetiu o mesmo dado de 2018 com três ocorrências. Diadema teve a maior queda, de sete para dois. Mauá também viu os casos registrados diminuírem de três para dois. Rio Grande da Serra não teve casos apontados nos dois períodos.

O estupro de vulneráveis foi o responsável pela alta do total de estupros registrados na região que subiram 17% (de 39 para 47 casos). Segundo o artigo 217-A, do Código Penal, este crime acontece quando acontece uma conjunção carnal ou pratica de ato libidinoso com menores de 14 anos. A pena é de oito a 15 anos. Se resultar em lesão grave a período de reclusão pode subir de 10 até 20 anos. Em caso de morte, a reclusão pode ser de 12 até 30 anos.

Redução

Por outro lado, a região viu a redução do número de registros de roubo de veículos. Dos 738 casos documentados em julho de 2018 para 542 no mesmo período de 2019. A maior queda foi apresentada em São Bernardo (196 para 100), seguida Mauá (144 para 100), por Santo André (175 para 147), São Caetano (35 para 20 casos) e Diadema (177 para 145).

Rio Grande da Serra que não teve nenhum registro no sétimo mês do ano passado, acabou documentando quatro casos e Ribeirão Pires subiu de 11 para 13 registros.

fonte: Repórter Diário

Deixe uma resposta