CCJ não aceita recurso de Cunha sobre cassação

Da redação

Brasil, Brasília, DF, 02/03/2015. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)convoca reunião com a Mesa Diretora para rever a cota de passagens aéreas para cônjuges de parlamentares. "Reconheço que a repercussão foi muito negativa", afirmou o peemedebista. O benefício foi aprovado na reunião da Mesa Diretora no dia 25 de fevereiro. - Crédito:DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:180989

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou hoje (14), por 48 votos a 12, o parecer do relator do recurso de Cunha na CCJ, Ronaldo Fonseca (PMDB-BA), que disse que o processo deveria voltar ao Conselho de Ética, porque a votação na qual a cassação foi aprovada não valeria, tendo em vista que deveria ter acontecido por meio eletrônico e não nominal ao microfone, como aconteceu.

O processo vai para apreciação no plenário da Casa. O presidente da comissão, Osmar Serraglio (PMDB-PR), colocou o deputado Max Filho (PSDB-ES) como relator do novo parecer, que será votado pelos deputados no plenário.

Foram precisas três votações para que os deputados que compõem a CCJ conseguissem votar o parecer do relator sobre o recurso. Os aliados de Cunha tentaram atrapalhar a votação, colocando vários requerimentos para que ela fosse adiada, todos negados.

O atraso nos trabalhos da Comissão jogou a votação em plenário sobre a cassação de Cunha para agosto, porque no fim desta semana a Câmara entra em recesso.