Foto: Joel Saget/AFP

O anúncio do Ministério da Saúde de que está negociando a compra de vacinas contra covid-19 da empresa de biotecnologia Moderna, sediada nos Estados Unidos, dá ao país a esperança de mais um imunizante no combate à pandemia nos próximos meses.

A vacina da Moderna foi desenvolvida em parceria com o NIAID (Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos), tem 94,1% de eficácia contra a infecção causada pelo novo coronavírus e é aplicada em duas doses, com um intervalo de 28 dias entre elas.

A tecnologia usada em sua fabricação é a de RNA mensageiro, a qual auxilia o organismo a gerar anticorpos contra o SARS-CoV-2 sem que seja necessário utilizar algum tipo de vírus, seja ele atenuado ou inativado.

O imunizante da Pfizer/BioNTech, único com registro definitivo concedido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil, também utiliza essa tecnologia.

A vacina já foi aprovada em países como os Estados Unidos, Canadá, Israel e pela EMA (Agência Europeia de Medicamentos), mas a farmacêutica ainda não apresentou à Anvisa nenhum pedido de liberação para uso emergencial ou de registro definitivo.

Covid-19: eficácia das vacinas não é comparável

No entanto, o Ministério da Saúde negocia com a Moderna a compra de 13 milhões de doses da vacina até dezembro, com o primeiro 1 milhão de doses entregue até julho.

O cronograma também prevê mais 50 milhões de doses do imunizante até 31 de janeiro de 2022, totalizando 63 milhões de doses.

De acordo com os testes realizados pela farmacêutica, o imunizante se mostrou capaz de neutralizar variantes do coronavírus como as do Reino Unido e África do Sul. Embora, no caso desta última, tenha apresentado uma redução de seis vezes do título de anticorpos.

Um estudo preliminar realizado nos EUA mostrou que o imunizante também é eficaz mesmo com a aplicação de metade da sua dose padrão.

A empresa anunciou, no fim de fevereiro, que já tem pronta uma versão da vacina adaptada à variante sul-africana. Os testes devem começar em breve nos Estados Unidos.

Leia mais clicando aqui

Deixe uma resposta