Foto: REUTERS/Daniel Becerril

As celas das instalações da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos, que são semelhantes a prisões, estão repletas de crianças imigrantes desacompanhadas. O número de crianças nessas instalações, que são destinadas a adultos, atingiu um patamar dramático, de acordo com documentos aos quais a CNN teve acesso. O desafio do presidente Joe Biden quanto ao tratamento dado a imigrantes ilegais, em especial, crianças, é urgente.

Mais de 3.200 crianças migrantes desacompanhadas estavam sob custódia da Alfândega e da Proteção de Fronteiras, de acordo com os documentos de segunda-feira (09). Cerca de 2.600 aguardavam colocação em abrigos adequados para menores, mas havia pouco mais de 500 leitos disponíveis para acomodá-los.

Os dados mais recentes vêm na esteira de uma viagem à fronteira EUA-México feita por funcionários da administração para avaliar a situação no local em meio a um número crescente de prisões. O cenário indica uma tendência de rápido aumento de crianças desacompanhadas entrando nos Estados Unidos. Há menos de uma semana havia cerca de 1.700 crianças sob custódia da Alfândega.

Na tarde de segunda-feira, o presidente Joe Biden ainda não havia sido informado por seus principais assessores sobre a viagem de fim de semana, que incluiu uma visita a uma instalação para crianças migrantes desacompanhadas em Carrizo Springs, Texas – a primeira instalação para crianças migrantes a abrir desde que Biden tomou posse.

Os funcionários estavam apurando os fatos, disse uma pessoa conhecida, e outros estavam fazendo anotações durante as conversas. Espera-se que Biden seja informado pelos assessores sobre a situação nos próximos dias.

Entre os que compareceram estava a primeira-dama, Susan Rice, que foi assessora de segurança nacional do ex-presidente Barack Obama e agora chefia o Conselho de Política Doméstica de Biden. Uma fonte que sabia da visita disse à CNN que Rice estava envolvida e, por vezes, questionou os funcionários do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, que administram os abrigos para migrantes desacompanhados, sobre como eles estavam se preparando para responder ao aumento no número de crianças atravessando a fronteira e se estavam preparados para agilizar o processo de transferência delas.

O HHS disse à CNN em um comunicado na segunda-feira que o Escritório de Reassentamento de Refugiados “está trabalhando em ritmo acelerado com nossos parceiros interagências para garantir que crianças migrantes desacompanhadas estejam seguras e unidas a familiares ou outros responsáveis o mais seguro e rapidamente possível.”

“O número de crianças desacompanhadas (UC) sob nossos cuidados está mudando constantemente”, disse o departamento.

O crescente número de crianças desacompanhadas soou o alarme entre as autoridades que lutam para encontrar um abrigo para cuidar das crianças em meio a uma pandemia, que resultou no fechamento de alguns leitos para cumprir as diretrizes de saúde.

Os dados de segunda-feira revelam o gargalo contínuo do sistema, com mais crianças sob custódia do que o governo dos Estados Unidos está preparado para cuidar. Ele também enfatiza os obstáculos enfrentados pelo governo Biden ao tentar adotar uma abordagem mais humanitária para a imigração, ao mesmo tempo em que lida com as realidades na fronteira.

Os números são impressionantes. Para comparar, no auge da crise de fronteira de 2019 – quando havia instalações superlotadas e crianças dormindo no chão – havia cerca de 2.600 crianças desacompanhadas sob custódia da Patrulha de Fronteira, disse um ex-funcionário da CBP (Customs and Border Protection) à CNN.

Uma miríade de razões pode ser responsável pelo aumento repentino de crianças na fronteira dos Estados Unidos com o México, incluindo o cenário dramático da pandemia na América Latina, onde as economias, que antes tinham projeção de crescimento, foram dizimadas, situação agravada por dois furacões devastadores que atingiram a região e uma percepção de que o governo Biden vai flexibilizar a fiscalização.

A chefe de gabinete da primeira-dama, Julissa Reynoso, discutiu brevemente sua viagem à fronteira EUA-México. Ela fez parte de uma delegação de altos funcionários do governo que também incluía a primeira-dama, Susan Rice, e o secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas.

“Falamos com muitas das pessoas envolvidas, incluindo crianças. Estamos tentando administrar isso de uma forma ordeira, mas muito cientes do custo humano, e à luz do fato de que estamos falando sobre crianças. Isso é algo que estamos administrando “, disse Reynoso a jornalistas na segunda-feira.

O grupo voou de Washington em um avião militar e fez sua primeira parada na tenda da CBP, em Donna, Texas, que tem processado migrantes sem documentos. De lá, o grupo voou para o norte ao longo da fronteira com Laredo, onde pousou e dirigiu até a instalação que abrigava crianças em Carrizo Springs. A viagem durou quase todo o sábado.

Nos dois locais, o grupo falou com quem trabalha lá e com alguns dos migrantes que estão detidos nas instalações, incluindo algumas das crianças. Vários funcionários da viagem falam espanhol e podem se comunicar diretamente com os migrantes detidos.

Deixe uma resposta