Delegacia no ABC Paulista é invadida

prédio do 8º Disitrito Policial de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, foi invadido durante o feriado prolongado de 9 de Julho, e armas de diversos calibres, munições, coletes balísticos, celulares apreendidos em ocorrências policiais e uma quantidade de droga ainda a ser contabilizada foram furtados no local.

O caso foi descoberto quando um escrivão da delegacia chegou para trabalhar por volta das 8h45 desta terça-feira (10). A delegacia invadida não funciona 24 horas por dia, apenas no turno das 9h às 19h e ficou fechada desde 19h de sexta-feira (6).

Assim que chegou para trabalhar, um escrivão percebeu que a porta de entrada estava apenas encostada, sem os cadeados e com as trancas abertas.

Ao entrar no prédio da delegacia, o escrivão percebeu alguns sacos de plásticos com entorpecentes apreendidos e acinou o chefe de investigação, a escrivã chefe e avisou o delegado titular do 8º DP.

O delegado Seccional de São Bernardo do Campo, Fernando Schimidt, foi chamado. “De fato houve o arrombamento. Providências estão sendo adotadas e a investigação está avançada”, disse, sem detalhar o trabalho policial. Alguns suspeitos já teriam sido identificados.

Os criminosos levaram uma espingarda calibre 12 da Polícia Civil, uma garrucha, munições de diversos calibres (sendo de apreensões e da Polícia Civil), dois coletes balísticos, 12 revólveres, uma grande quantidade de drogas, que ainda será contabilizada pela Polícia Civil.

Uma equipe de peritos esteve no local e coletou impressões digitais no alicate usado para o arrombamento, móveis e portas. A Corregedoria da Polícia Civil foi acionada. A equipe da delegacia não soube informar o motivo de as drogas estarem em armários de aço, quando o correto seria enviá-las ao Instituto de Criminalística de São Paulo.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo inform ou que a “Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso. Mais detalhes não podem ser divulgados para não atrapalhar as investigações. Além disso, a SSP está em tratativas com o TJSP e com o Exército para estabelecimento de um novo fluxo de destruição ou doação das armas apreendidas.”

Fonte: g1