Dólar sobe a R$ 3,94 sem movimento do BC

O dólar iniciou esta sexta-feira (6) em alta frente ao real com o foco na cena externa e sem sinais sobre se o Banco Central brasileiro voltará a atuar no mercado ou continuará de fora como nos últimos dias, destaca a Reuters.

Às 11h35, o dólar avançava 0,36%, a R$ 3,9463 na venda, depois de ter fechado o pregão passado em alta e a caminho do patamar de R$ 3,95.

No exterior, a expectativa ficava para os desdobramentos da guerra comercial global e a divulgação de novos dados sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos e possíveis impactos na condução da política monetária na maior economia do mundo, lembra a agência.

Na véspera, a moeda norte-americana subiu 0,5%, vendida a R$ 3,932, no maior valor desde março de 2016.

Intervenção do BC

O Banco Central brasileiro fará leilão de até 14 mil swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, para rolagem dos contratos que vencem em agosto, no total de US$ 14,023 bilhões.

O presidente do BC, Ilan Goldfajn, reforçou na noite passada que não pautará a atuação no câmbio por mudanças de preço, buscando apenas dar tranquilidade ao mercado quando avaliar a ocorrência de falta de liquidez ou “sensação de pânico”.

Por enquanto, o BC não anunciou intervenção extraordinária no mercado de câmbio para este pregão. Esta sessão deve ter volume de negócios reduzido devido ao jogo da seleção do Brasil contra a Bélgica à tarde pela Copa do Mundo, o que manterá os investidores afastados das mesas de operação. E na segunda-feira, por conta de feriado em São Paulo, a B3 estará fechada.

O BC não tem feito intervenções extraordinárias no mercado por meio de leilões de novos swaps cambiais desde a semana passada. Tem feito apenas as vendas desses contratos para rolagem dos vencimentos futuros, como o indicado para esta sessão.

Fonte: g1