Embraer reforça que prevê concluir negócio com Boeing até 2019

A Embraer manteve a previsão de que transação com Boeing estará concluída até o fim de 2019, conforme reforçou nesta terça-feira (31), aproveitando a divulgação de seu balanço, no qual registrou um prejuízo líquido atribuído aos acionistas de R$ 467 milhões no segundo trimestre.

A empresa informou que foi intimada a se manifestar sobre uma ação movida por 4 deputados que pedem a suspensão das negociaçõespara a fusão da empresa brasileira com a Boeing. A empresa disse que “adotará todas as medidas necessárias para exercer seu direito de defesa perante o juízo competente”.

Em 5 de julho, a companhia anunciou que assinou um acordo preliminar e não vinculante com Boeing, por meio do qual as partes estabeleceram as premissas básicas para uma potencial combinação de determinados negócios, que incluirá a criação de uma joint venture (nova empresa).

A nova empresa vai assumir os negócios de Aviação Comercial da Embraer e de suas operações relacionadas, serviços e capacidades de engenharia. A Boeing, que após o fechamento da transação, terá 80% da joint venture, pagando US$ 3,8 bilhões, enquanto a Embraer reterá uma participação de 20%.

A Embraer reiterou que manterá as unidades de negócios de Aviação Executiva e de Defesa & Segurança, bem como suas operações relacionadas, serviços e recursos de engenharia.

A fabricante destacou que as duas empresa entrarão em contratos operacionais de longo prazo envolvendo serviços de engenharia, licenças recíprocas de propriedade intelectual, acordos de pesquisa e desenvolvimento, acordo de compartilhamento e uso de certas instalações e tratamento preferencial no fornecimento de certos produtos, componentes e matérias-primas.

“Além disso, a Boeing e a Embraer avaliarão a viabilidade de investimentos conjuntos para a promoção e desenvolvimento de novos mercados e aplicações para produtos e serviços de defesa, especialmente o KC-390, em oportunidades identificadas conjuntamente”, disse a fabricante brasileira.

A Embraer e a Boeing iniciaram negociações sobre os documentos finais da transação, que orientarão de forma vinculante, a estrutura e os termos financeiros da transação em bases mutuamente satisfatórias.

A Embraer disse que, após a conclusão das diligências e da auditoria de desmembramento, e no caso da Boeing e a Embraer chegarem a um consenso sobre tais documentos definitivos da transação, as partes enviarão as aprovações necessárias para a conclusão da transação, incluindo, entre outras.

Fonte: G1

Imagem: Reprodução/Internet