Estupro no Parque Olímpico

genival-ferreira-mendes-seguranca-acusado-de-estupro-de-vulneravel-no-parque-olimpico-1470011357514_v2_450x600
Genival Ferreira Mendes

Da redação

Segurança do Comitê Rio 2016, foi autuado em flagrante na madrugada do último domingo (31), acusado de ter praticado ato libidinoso contra uma bombeiro civil. Genival Ferreira Mendes era funcionário da empresa Gocil, que presta serviços ao comitê.

De acordo com informações do delegado titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), a vítima dormia no alojamento do velódromo, no Parque Olímpico, na Zona Oeste do Rio, quando foi atacada por volta das 4h30m. Genival deveria estar monitorando a segurança no momento do ato.

O homem, encaminhado à 16ª DP por agentes da Força Nacional, segue detido e foi autuado em flagrante pelo crime de estupro de vulnerável, uma vez que a vítima não poderia oferecer resistência, já que estava dormindo. O crime prevê pena de 2 a 6 anos de reclusão. Nesta segunda-feira (1º), Genival deverá ser encaminhado para uma audiência de custódia.

A versão foi confirmada pela vítima, que denunciou a tentativa de estupro ao soldado, que deu voz de prisão ao supervisor de segurança.

O ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), classificou o caso na manhã desta segunda-feira (1º) como “pontual”.

Depoimento da vítima

“Eu era bombeira de um outro supervisor chamado Luís e ele [Genival] pediu para trocar o turno das bombeiras naquela noite. Há ao lado da sala de vídeo monitoramento do velódromo do Parque Olímpico um quarto de descanso, e ele disse que eu poderia ir para lá, pois deveria estar cansada. Pensei que ele fosse ficar na sala, verificando o que acontecia no parque por meio dos monitores. Dormi e acordei com ele em cima de mim, com as mãos no meu peito, na vagina”, conta L.T.R.R., cuja identidade prefere preservar. “Desesperada, pedi [a Genival] para ir ao banheiro, e ele disse que eu poderia ir, mas avisou para eu voltar rápido. Saí procurando alguém que pudesse me ajudar, mas acho que ele tinha mandado os soldados da Força Nacional fazerem ronda. Felizmente por causa do som do rádio encontrei um soldado que estava sozinho descansando, e contei o que havia acontecido”, diz.