Fair play financeiro pode tirar Inter de Milão da briga por Gabigol

Atacante pode conquistar a inédita medalha de ouro olímpica no sábado (Mowa)
Atacante pode conquistar a inédita medalha de ouro olímpica no sábado (Mowa)

Dona da maior oferta oficial por Gabigol, a Inter de Milão pode ter de desistir do atacante. Para se adequar ao Fair play financeiro imposto pela Fifa, o clube italiano já se viu obrigado a mudar os termos da contratação do português João Mário, do Sporting. A Inter teve de desistir de comprá-lo em definitivo e está o adquirindo por empréstimo, com um valor bem pouco usual: R$ 54 milhões – a compra custaria quase o dobro disso.

A Inter havia sinalizado com uma oferta de R$ 90 milhões por Gabigol, R$ 7 milhões a mais do que a Juventus. “Vamos deixar para resolver o futuro do Gabigol depois da Olimpíada. Por enquanto, o foco é total na seleção”, explica o empresário do atacante, Wagner Ribeiro.

Na terça-feira, o jornal inglês The Sun publicou que o Manchester United também pode entrar na concorrência por Gabigol com uma proposta de R$ 125 milhões. “É especulação. Não temos nenhuma oferta oficial do United até o momento”, assegura o empresário.

Em meio ao assédio, o Santos completará no sábado o segundo mês de atraso no pagamento dos direitos de imagem dos atletas. Para evitar a crise financeira que tem se aproximado da Vila Belmiro, o presidente Modesto Roma decidiu que precisa vender um jogador nesta janela de transferências.

Além de Gabigol, o Peixe vê enorme procura por Thiago Maia. O Atlético de Madrid já ofereceu R$ 54 milhões para levar o volante. Já o Chelsea recebeu na semana passada a visita de Modesto Roma, na companhia de Kia Joorabchian, para discutir detalhes de uma possível oferta.