Gol tem prejuízo de R$ 1,3 bi no 2º trimestre, pressionada por câmbio

A Gol informou nesta quinta-feira que registrou prejuízo líquido depois da participação minoritária de R$ 1,326 bilhão, um aumento de 177,6% em relação à perda verificada um ano antes, pressionado pela variação cambial que pesou sobre o resultado financeiro do período.

Antes da participação de minoritários, o prejuízo líquido somou R$ 1,272 bilhão no período de abril a junho, um aumento de mais de 200% em relação à perda de R$ 409,5 milhões um ano antes, com margem líquida negativa de 54%.

A margem líquida após a diluição dos minoritários ficou negativa 56,3%.

“A tradicional baixa temporada em viagens aéreas no Brasil foi particularmente desafiadora pela apreciação acelerada do dólar americano frente ao real e pela ruptura no equilíbrio de oferta da indústria que impactou a demanda do transporte aéreo”, disse o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, em comunicado sobre do balanço trimestral.

O valor médio pago por passageiro por quilômetro voado (yeld) ficou em R$ 25,74 no segundo trimestre, alta de 7,6% no confronto com igual período de 2017. A alta foi impactada pelo aumento de 6% na tarifa média.

A companhia aérea terminou o trimestre com 119 aviões. A taxa de ocupação no mercado doméstico ficou em 79,1%, alta de 0,8 ponto percentual frente ao segundo trimestre de 2017. No mercado internacional, ficou em 68,8%, queda de 5,3 pontos percentuais na mesma comparação.

Gol informou nesta quinta-feira que registrou prejuízo líquido depois da participação minoritária de R$ 1,326 bilhão, um aumento de 177,6% em relação à perda verificada um ano antes, pressionado pela variação cambial que pesou sobre o resultado financeiro do período.

Antes da participação de minoritários, o prejuízo líquido somou R$ 1,272 bilhão no período de abril a junho, um aumento de mais de 200% em relação à perda de R$ 409,5 milhões um ano antes, com margem líquida negativa de 54%.

A margem líquida após a diluição dos minoritários ficou negativa 56,3%.

“A tradicional baixa temporada em viagens aéreas no Brasil foi particularmente desafiadora pela apreciação acelerada do dólar americano frente ao real e pela ruptura no equilíbrio de oferta da indústria que impactou a demanda do transporte aéreo”, disse o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, em comunicado sobre do balanço trimestral.

O valor médio pago por passageiro por quilômetro voado (yeld) ficou em R$ 25,74 no segundo trimestre, alta de 7,6% no confronto com igual período de 2017. A alta foi impactada pelo aumento de 6% na tarifa média.

A companhia aérea terminou o trimestre com 119 aviões. A taxa de ocupação no mercado doméstico ficou em 79,1%, alta de 0,8 ponto percentual frente ao segundo trimestre de 2017. No mercado internacional, ficou em 68,8%, queda de 5,3 pontos percentuais na mesma comparação.

Fonte: G1

Imagem: Reprodução/Internet