Hábito de coçar os olhos agrava deformidade da córnea

Da Redação

Para casos mais avançados, o transplante de córnea pode ser a melhor opção para o tratamento da doença Foto: Fotos Públicas
Para casos mais avançados, o transplante de córnea pode ser a melhor opção para o tratamento da doença Foto: Fotos Públicas

Problema que atinge uma em cada 20 mil pessoas no Brasil, o ceratocone é uma deformidade progressiva da córnea, responsável pela grande perda de nitidez da visão, levando à miopia e/ou ao astigmatismo.

De origem genética, se manifesta principalmente durante a passagem da infância para a adolescência, sendo estimulada especialmente pelo hábito de coçar os olhos, evoluindo de forma progressiva até entre os 30 e 45 anos de idade.

“A córnea acaba assumindo um formato cônico, o que vai levar a pessoa a sofrer de miopia ou astigmatismo”, explica o médico Luiz Geraldo Simões de Assis, diretor clínico do Instituto de Oftalmologia de Curitiba (IOC).

De acordo com o especialista, o problema pode ser identificado por meio de exames de rotina. A técnica que consiste no enrijecimento das fibras do colágeno corneano, utiliza-se da combinação de Luz UV com gotas de Riboflavina (vitamina B2), que como efeito garante proteção às camadas interiores da membrana e evita, assim, a progressão do ceratocone.