Foto: iFood/Divulgação

O iFood faz parte daquele rol de empresas que se beneficiaram –e muito– da pandemia. Se há um ano, a empresa atendia a 30 milhões de pedidos por mês, agora está próxima dos 50 milhões.

E, agora, diversos estados estão decretando novas quarentenas –ou tentando, pelo menos. Restaurantes e bares fechados significam mais mercado para o setor de delivery, que é uma das pouas saídas para a sobrevivência desses estabelecimentos. Por isso, o iFood decidiu voltar com alguns benefícios para os seus clientes diretos, e estima que deve dobrar de tamanho em 2021 mesmo com a crise atual.

A partir de quinta-feira (11), as taxas de comissão do iFood cairão de 23% para 18% e essa redução permanecerá até o fim de março. Além disso, a empresa antecipará R$ 4 bilhões em recebíveis –desde o início da pandemia, foram mais de R$ 12 bilhões. Para completar, o iFood deve oferecer R$ 500 milhões em linhas de crédito. No total, a companhia espera impactar 200 mil estabelecimentos.

É fato que a companhia vai abrir mão de um pouco de receita, mas nem nesse novo momento complicado ela deixa de crescer.

A meta é dobrar

Esse número vai ajudar a meta da companhia de continuar dobrando de tamanho ano a ano. Segundo Barreto, um setor em específico vai ajudar a companhia: supermercados.  A companhia entrou mais forte nessa área em 2020 e, de acordo com o Barreto, esse será o motor de crescimento da empresa.

A expansão geográfica também está na lista. A empresa pretende aumentar de 1.100 para 1.500 cidades atendidas ainda em 2021. “Estamos vendo um movimento acelerado de estabelecimentos de diferentes cidades procurando a plataforma por causa da alta da demanda por delivery”, afirma.

Algo que está totalmente fora dos planos do iFood é cobrar uma assinatura em troca de frete grátis, como fazem seus principais concorrentes Uber Eats e Rappi. Barreto diz que, tirando a Amazon, não encontrou nenhum serviço que seja viável economicamente nesse modelo de negócio.

O iFood chegou a testar esse serviço em 2018, mas logo desistiu. Agora, está testando um modelo de cupons, chamado de Clube iFood. Funciona assim: a pessoa paga um determinado valor por um número de entregas grátis ou por uma série de cupons de desconto.

Recorrência e concorrência

Dessa maneira, o iFood quer aumentar a recorrência dos pedidos no Brasil, especialmente em horários fora da rotina –como a compra de um café da manhã ou de uma sobremesa à tarde.

Mais do que isso, quer deixar para trás a concorrência, que está mais acirrada do que nunca. Apesar de dominar mais de 70% do mercado de refeições, o setor está ficando cada vez mais competitivos. Se há um ano, o iFood tinha que se preocupar só com dois principais concorrentes, agora tem gigantes como Magazine Luiza e B2W querendo uma parte do seu mercado.

Diante disso, como o iFood vai se financiar para brigar com gigantes? O executivo afirma que a empresa não pensa nem em novos aportes nem em um IPO. O último deles foi em novembro de 2018, quando a empresa recebeu US$ 500 milhões e se tornou um unicórnio.

FONTE: CNN

Deixe uma resposta