Mário Covas tem menor reajuste em seu orçamento nos últimos três anos

Principal equipamento público de alta complexidade do Grande ABC, o Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, teve o menor reajuste em seu orçamento desde 2015. Dados obtidos pelo Diário, via Lei de Acesso à Informação, mostram que neste ano o complexo hospitalar contará com R$ 203,2 milhões de recursos financeiros para manter suas atividades, o que representa alta de 5,83% em relação ao valor empenhado em 2017, quando foram encaminhados R$ 192 milhões pelo Estado.

Embora o orçamento tenha tido alta acima da inflação no período, que no ano passado ficou em 2,9%, o reajuste aplicado em 2018 pelo governo do Estado só supera duas correções orçamentárias do complexo hospitalar desde 2010.

Se comparados os reajustes aplicados em anos eleitorais, o cenário é ainda pior. Em 2014, quando aconteceu a última disputa eleitoral pelo Palácio dos Bandeirantes, a correção aplicada foi de 16,89% – a maior desde 2010.

Na avaliação do economista Ricardo Balistiero, coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia, em São Caetano, a menor porcentagem de reajuste já pode sinalizar impactos causados pela PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Teto dos Gastos Públicos, que cria limite para os investimentos, com o objetivo de evitar que a despesa cresça mais do que a inflação a partir de 2017.

“Em comparação aos reajustes dos últimos anos, a correção aplicada em 2018 pode sinalizar as dificuldades que os próximos governantes irão enfrentar em relação à PEC de Gastos”, avalia. No entanto, o especialista sugere ainda uma estagnação no investimento destinado ao complexo hospitalar, justamente em um ano em que o governo do Estado teve seu maior orçamento da história. Ao todo, estarão disponíveis para o Palácio dos Bandeirantes R$ 216,9 bilhões, R$ 10,5 bilhões a mais do que o montante de 2017.

“Infelizmente, a Saúde é um dos setores mais afetados com a crise. A demanda do setor público nesta área tem aumentado muito com o desemprego em alta no País. Ou seja, os governos precisam empenhar mais recursos na Saúde do que nos últimos anos, tendo em vista essa procura maior pelo serviço”, alega.

A quantidade de exames no Hospital Mário Covas cresceu 112% quando comparado aos últimos sete anos, o que exemplifica este cenário de aumento de demanda. Em 2010, foram realizados 464 mil exames e em 2017, 985 mil. No primeiro semestre deste ano 460 mil exames foram registrados na unidade. Houve aumento também no número de cirurgias. Em 2010, ocorreram 8.609 procedimentos, enquanto em 2017, 9.293. Em 2018, 4.623 cirurgias aconteceram até o momento. Vale lembrar que o complexo hospitalar tem pacientes aguardando por procedimentos desde 2012.

OUTRO LADO
Por meio de nota, a Secretaria da Saúde do Estado afirma que o orçamento do Hospital Mário Covas para 2018 poderá ser suplementado, “se houver necessidade”. A Pasta destaca que desde 2010 foram investidos cerca de R$ 1,5 bilhão na unidade, que viabilizou a construção de uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva) com dez novos leitos, climatização da ala de urgência e emergência e adequação da ala pediátrica para melhor atender a população. Além disso, o hospital recebeu do Estado um novo aparelho de hemodinâmica. “As melhorias resultaram em mais qualidade no atendimento, com reflexos na segurança dos pacientes, atestada pela certificação máxima da ONA (Organização Nacional de Acreditação), recebida neste ano.”

Fonte: Diário do Grande ABC