Microcefalia: 1709 casos confirmados pelo Ministério da Saúde

Da redação

Microcephaly-comparison-500pxEm novo boletim divulgado, o Ministério da Saúde confirma que até 16 de julho, o Brasil teve 1709 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, com possibilidade de infecção congênita. Outros 3182 casos suspeitos continuam em investigação.

Desde outubro do ano passado, quando começaram as investigações, o Ministério da Saúde recebeu 8571 notificações. Mais de 3600 foram descartados, seja pelo resultado dos exames ou por a microcefalia não ter sido por causas infecciosas.

Dos 1709 casos, 267 foram confirmados por laboratório como algo específico para o Zika.  O Ministério da saúde afirma que o dado não representa fielmente o número total de casos relacionados ao vírus. As mães que tiveram bebês com microcefalia também tiveram a infecção.

No mesmo espaço de tempo, 354 mortes foram confirmadas com suspeita de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gravidez, o que representa 4,1% do total de notificações. Aproximadamente 102 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 192 continuam em investigação e 60 foram descartados.

O Ministério da Saúde ressalta afirma que as investigações continuam e abrangem a possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ser motivada por problemas como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.