Militância Feminina é abordada no espetáculo “Ponto Corrente”

Da redação

ponto correnteTrês senhoras encontram-se em um navio de cruzeiro para uma viagem e por meio uma tripulante da embarcação, tem suas experiências compartilhadas, esse é o enredo da peça “Ponto Corrente”, que será encenada na próxima segunda-feira (22), no às 9 horas, no Teatro Paulo Machado de Carvalho.

Com base em pesquisas e entrevistas pessoais, a peça teatral aborda a militância Feminina no Grande ABC durante a ditadura civil militar brasileira a partir da experiência de três mulheres. Uma delas, Maria da Fé, é filha de comunistas e atuou desde muito jovem junto à família e aos amigos em sua comunidade, o Jardim Zaíra, em Mauá, recém formado nos anos 1960, foi presa e torturada juntamente com seu pai e amigos.
Maria Auxiliadora foi militante clandestina e atuou nas fábricas de Mauá e em ações em outras cidades. Adotou diversos nomes, teve de assumir comportamentos diversos e diferentes modos de vida ao longo dos anos 1960 e 1970. Também foi presa e torturada.
E finalmente, Maria da Graça. Ela não militou diretamente, mas acompanhou lado a lado o marido, metalúrgico grevista no final dos anos 1970 e início dos 1980, em São Bernardo do Campo.