Ministro Henrique Eduardo Alves pede demissão após delação de Machado

henrique alvesDa redação

Agindo em “prol do bom maior”, ministro do Turismo e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), pede demissão nessa quinta-feira (16), por meio de carta enviada ao presidente interino Michel Temer (PMDB).

Acredita-se que ter seu nome envolvido na delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, foi o principal motivo para a saída. Segundo Machado, Alves teria recebido R$ 1,55 milhão em doações eleitorais oriundos de propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato.

Por meio de sua assessoria, Henrique Alves disse que “repudia a irresponsabilidade e leviandade das declarações do senhor Sérgio Machado”, e que “todas as doações (para suas campanhas) foram oficiais, as prestações de contas foram aprovadas e estão disponíveis no TSE”.

O procurador-geral da república, Rodrigo Janot, pediu a abertura de dois inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal), para que Henrique seja investigado. O primeiro por suspeita de envolvimento no chamado “quadrilhão” investigado pela operação, e o enfoque do outro é a relação de Henrique Alves com o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. O ex-ministro do Turismo ainda não se pronunciou sobre nenhum deles.

O primeiro ministro nomeado por Temer a deixar o governo foi o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que ocupava o Ministério do Planejamento; seguido do ex-ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira.