Morando põe fim aos carros oficiais, e economiza R$ 10 milhões aos cofres públicos

Próximo de completar 24 meses de governo, a Prefeitura de São Bernardo, sob gestão de Orlando Morando, registra a economia de R$ 10 milhões nos cofres públicos, após extinguir, nos primeiros dias de governo, o contrato de aluguel de carros oficiais, assinado pelo prefeito anterior, Luiz Marinho, que despendia R$ 5 milhões por ano, para uso exclusivo dele mesmo, do vice-prefeito e secretários. Ao todo, 26 veículos, com motorista, estavam à disposição da administração petista.
 
Assim, o modelo de gestão hoje praticado em São Bernardo habituou-se a constatar o prefeito, o vice e os secretários a utilizarem os próprios (similar a carreira privada), com combustível pago por cada um.
 
O plano segue ativo na Administração e reforça que os proprietários de cada veículo ficam responsáveis por custos de manutenção, impostos, combustível, infrações de trânsito e demais despesas. A proposta permite que estes veículos particulares possam exibir emplacamento diferenciado (placa preta) durante horário de expediente e agendas oficiais – medida essa aprovada pela Câmara Municipal.
 
Com isso, a expectativa é que até o final do mandato mais de R$ 20 milhões sejam poupados dos cofres públicos, uma vez que o contrato de locação tinha validade de cinco anos, empenhando recursos do orçamento municipal até 2020.
Dentro do plano de extinção de carros oficiais, a Administração também doou seis veículos antes usados para locomoção de secretários para a Guarda Civil Municipal (GCM), sendo um deles transformado em Base Comunitária Móvel da corporação.