Mortes no trânsito caem 21%

Da redação

A cidade de São Paulo registrou queda de 21% no total de mortes em decorrência de acidentes de trânsito na comparação entre o primeiro semestre deste ano e os seis primeiros meses de 2015.

Dados divulgados pelo Infosiga (Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo) mostram que, em 2015, a capital havia tido 599 mortes até o fim do mês de junho; em 2016, foram 476 vítimas fatais.

A redução é bem mais expressiva do que no Estado como um todo, em que a queda no número de mortes foi de 8%, passando de 3.094 no primeiro semestre de 2015 para 2.861 neste ano.

Pedestres e motociclistas continuam a ser as categorias mais vulneráveis no trânsito paulistano. Foram 182 mortes de pedestres (38%) e 155 de motociclistas (33%). Houve ainda 70 ocupantes de automóveis que perderam suas vidas no trânsito (15%) e 12 ciclistas (0,03%).

Dos 476 mortos na cidade de São Paulo, 380 eram homens, aproximadamente 80% do total. Pouco mais de um quarto das vítimas fatais, 129 homens e mulheres, tinha entre 18 e 29 anos.

 

Ao lançar o Infosiga, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) também assinou convênios com 15 municípios de diversos portes, que receberiam um investimento total de R$ 10,5 milhões para servirem de modelo em iniciativas de segurança no trânsito.

O grupo de cidades, composto por Amparo, Atibaia, Barretos, Catanduva, Fernandópolis, Itanhaém, Jacareí, Piedade, Praia Grande, Registro, Ribeirão Preto, São Carlos, São José do Rio Preto, São Roque e Sorocaba, teve redução de 11% no número de mortes: de 304 para 270.

Apesar de o dado global ser positivo e estar acima da queda média no Estado, o número de vítimas fatais aumentou em cinco dessas cidades, incluindo Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, e manteve-se igual em outras duas –Amparo e Atibaia.

Tanto o governo do Estado quanto a prefeitura têm trabalhado para cumprir a meta da ONU de reduzir pela metade o número de mortes no trânsito até o ano de 2020.

Sem título