Mudança no financiamento de imóveis

Da redação

Foto: Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas
Foto: Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas

Os mutuários que comprarem imóveis novos e usados financiados com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) ganharam um incentivo. O CMN (Conselho Monetário Nacional) aumentou o valor máximo dos empreendimentos que podem ser financiados pelo SFH (Sistema Financeiro da Habitação), que cobra juros menores que os demais financiamentos de mercado.

Com a alteração, o teto de financiamento passou de R$ 650 mil para R$ 800 mil na maior parte do país. Em São Paulo, o limite passou de R$ 750 mil para R$ 950 mil. A última vez em que esses limites tinham sido alterados foi em setembro de 2013.

Os novos limites valem a partir de hoje (25). Concedidos com recursos do FGTS, os financiamentos do SFH cobram juros de até 12% ao ano. Acima desses valores, valem as regras do SFI (Sistema Financeiro Imobiliário), com taxas mais elevadas e estipuladas livremente pelo mercado.

A regra para a amortização valerá a partir de 2017. As operações com aprovação até 31 de janeiro do próximo ano poderão ser finalizadas até 31 de março do ano que vem ainda sem amortização obrigatória nas parcelas.

A mudança não prejudica o sistema de amortização constante, em que o mutuário abate parte do saldo devedor todos os meses, começando a pagar prestações mais caras, que diminuem de valor ao longo dos meses. No sistema price, com prestações constantes, as modalidades com amortização negativa serão proibidas.