A crise financeira decorrente da pandemia de coronavírus tem afetado a educação de milhares de alunos no estado de São Paulo que não conseguiram mais arcar com as mensalidades de escolas e faculdades particulares, aumentando o número de transferências de alunos da rede privada para a pública e a inadimplência de mensalidades em instituições de ensino superior.

O número de transferências de alunos de escolas privadas para públicas cresceu 44,4% em 2020, de acordo com a Secretaria Estadual de Educação.

De março a dezembro de 2020, 15.615 alunos deixaram as escolas particulares de todo o estado e se matricularam em escolas públicas. Foram 4.804 alunos a mais do que no mesmo período de 2019 (10.811).

Inadimplência

Dentre os alunos que já estão na faculdade, a perda de renda impacta de forma ainda mais negativa, já que nem sempre é possível a transferência para a rede pública, e os alunos, sem meios de pagar as mensalidades, desistem de estudar, temporária ou definitivamente.

A taxa de inadimplência no ensino superior privado no estado de São Paulo foi de 10,1% no primeiro semestre de 2020, valor 47,7% maior que no mesmo período de 2019, de acordo com um levantamento do Instituto Semesp, entidade que representa mantenedoras de ensino superior no Brasil.

Em todo o país, a taxa foi de 11,8% no primeiro semestre de 2020, o que representa uma alta de 29,9% em todo o país em comparação ao mesmo período de 2019. É o maior patamar da história, de acordo com o Instituto Semesp.

Os principais motivos para a inadimplência apontados pelos estudantes foram a redução de renda do aluno ou da família e a perda de renda do aluno ou da família por conta da redução de salários e desemprego, ambas reflexos da pandemia de Covid-19, segundo a Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação (Semesp).

A falta de renda para o pagamento de mensalidades também impactou na taxa de evasão no ensino superior privado, ou seja, na desistência temporária ou definitiva dos cursos. Em todo o estado de São Paulo, a evasão ficou em 11,2% no primeiro semestre de 2020, número 18,7% maior que no mesmo período de 2019, de acordo com o Instituto Semesp.

O ingresso de novos alunos nas faculdades particulares também caiu. No estado de São Paulo, o número de novos alunos registrado no segundo semestre de 2020 foi menor que em 2019, apresentando uma queda de 18,1%, puxada pelo ensino presencial (queda de 31,2%).

A maior queda foi sentida na região metropolitana de São Paulo, que apresentou um número de ingressos 18,6% menor no 2º semestre. Os dados são do Instituto Semesp.

G1

Deixe uma resposta