O negócio das vendas de visualização no Youtube

Martin Vassilev, 32, ganha a vida vendendo visualizações falsas em vídeos no Youtube. Trabalhando em casa em Ottawa, Ontário, ele vendeu até agora cerca de 15 milhões de visualizações neste ano, colocando-o no caminho certo para arrecadar mais de US$ 200 mil (R$772 mil), mostram os registros.

Vassilev não proporciona as visualizações. Seu site, 500Views.com, conecta clientes com serviços que oferecem visualizações, curtidas e descurtidas gerados por computadores, não por seres humanos. Quando algum fornecedor ganha audiência não pode atender a um pedido, a Vassilev – como uma telefonista moderna – conecta rapidamente o cliente a outro serviço.

Depois do Google, o Youtube é o site onde as pessoas mais pesquisam. É a plataforma mais popular entre os adolescentes – superando até gigantes como o Facebook e o Instagram -, de acordo com um estudo feito em 2018 pelo Pew Research Center. Com bilhões de visualizações por dia, a plataforma de vídeos ajuda a estimular sensações culturais globais, gerar carreiras, vender marcas e promover agendas políticas.

Assim como outras empresas de mídia social foram atormentadas por contas de impostores e campanhas de influência artificial, o Youtube tem lutado contra visualizações falsas há anos.

O ecossistema das visualizações falsas do qual Vassilev faz parte pode minar a credibilidade do Youtube ao manipular a moeda digital que sinaliza valor para os usuários. Embora o Youtube diga que exibições falsas representam apenas uma pequena fração do total, elas ainda têm um efeito significativo ao enganar consumidores e anunciantes.

Com base em dezenas de entrevistas, registros de vendas e compras experimentais de visualizações, a reportagem analisou como o mercado funcionava e testou a capacidade do Youtube de detectar manipulações.

Inflar visualizações viola os termos de serviço do Youtube. Mas pesquisas feitas no Google sobre comprar visualizações mostram centenas de sites oferecendo maneiras rápidas e fáceis de aumentar a contagem de um vídeo em 500, 5.000 ou até 5 milhões exibições. Os sites, que ofertam visualização por alguns centavos, também aparecem nos no Google Ads, ferramenta de links patrocinados na internet.

Fonte: Folha