Os miniderrames podem ser um alerta de algo mais grave

chas-para-o-tratamento-da-dor-de-cabecaDa redação

Os sinais do miniderrame são parecidos com os do derrame, porém mais fracos e de menor duração. Em alguns casos, duram apenas alguns minutos. Mas nem por isso devem ser ignorados.

Segundo a revista da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, aHarvard Health Publications, “cerca de 33% das pessoas que sofreram um AIT têm um derrame cerebral no período de um ano”.

De acordo com a associação britânica Stroke Association, um AIT é causado por uma falta temporária de fluxo sanguíneo no cérebro e pode ser diagnosticado como um derrame cerebral, apesar de os sintomas serem temporários.

É preciso estar alerta quando uma pessoa apresenta debilidade repentina, incluindo dificuldade para andar e uma sensação de confusão.

Os pacientes e familiares precisam estar atentos também caso a pessoa apresente debilidade repentina nos músculos do rosto: o rosto do paciente parece estar caído, geralmente de um lado. O paciente sente como se esse lado estivesse adormecido.

Uma boa forma de confirmar isso é pedir que o paciente sorria e observar se o sorriso está desnivelado.

Outro sintoma é a debilidade nos braços: a pessoa não consegue levantar os dois braços na altura da cabeça.

É importante prestar atenção se a pessoa sente que um dos braços está mais fraco. Para fazer o teste, peça que ela levante os dois braços e observe se um deles cai.

Além disso, atenção a dificuldades na fala, ou seja, quando o paciente tenta falar e o que sai é algo lento, com muita dificuldade e de difícil compreensão.

Um bom teste é pedir que o paciente repita uma frase simples, como “O céu é azul”. Preste atenção se ele repete corretamente.

Se uma pessoa apresenta um desses sintomas, mesmo que eles tenham desaparecido pouco depois, é importante levá-la ao médico imediatamente.

Faça também um registro de tempo para que saiba quando o primeiro sintoma apareceu.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) reconhece que a maioria dos pacientes que sofreram um ou mais miniderrames pode ter um derrame cerebral no futuro. Ao mesmo tempo, a organização esclarece que uma pessoa também pode ter um derrame sem ter sofrido um episódio de menor gravidade.