Palmeiras avisa que vai continuar dando calote

Da redação

PalmeirasNa 9ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, corre uma ação em que o empresário Osorio Furlan Júnior pede ao Palmeiras cerca de R$ 15 milhões por perdas e danos, relacionados ao negócio do meia Valdívia com os árabes.

O juiz responsável, Rodrigo Galvão Medina, fez um pedido para que ambas as partes se posicionassem a respeito de uma possível audiência de reconciliação, além de colocarem na mesa as eventuais provas que seriam apresentadas em juízo.

A área jurídica do Palmeiras não leva em consideração a hipótese de ter que pagar esse valor pela saída do chileno. Além disso, o clube deseja o julgamento antecipado e pretende produzir provas se o juiz decidir marcar a audiência para a conciliação das partes. O clube enviou a resposta no último dia 19.

Uma semana antes, o empresário havia dito que o clube jogou o dinheiro pelo ralo e destacou que o Palmeiras não o procurou para acompanhar a possível renovação de Valdívia na época.

 

Retrospecto do caso

O empresário foi o responsável pelo investimento na contratação do meia. No ano de 2010, o Palmeiras disse à Justiça de São Paulo que não devolveria o valor pago pelo empresário e muito menos a multa pedida.

Durante o mandato de Luiz Gonzaga Belluzzo, Osorio ajudou a contratar o chileno pagando R$ 6 milhões por 36% dos direitos econômicos.

A promessa era de que o investimento teria retorno. Mas após todo o ciclo do chileno, ele não disputou nem metade das partidas oficiais, além das constantes lesões e brigas com a torcida.