Para algumas pessoas, estar dentro de um carro é como ser envenenado; ficou curioso? Saiba mais aqui

Da redação

Se você sente enjoo no carro ou conhece alguém que sinta também, fique atento! Seu cérebro acha que está sendo envenenado.

A nossa cabeça é biologicamente neurótica, partes do cérebro não sabem diferenciar o movimento na estrada de uma tentativa de intoxicação.

Do ponto de vista evolutivo, faz pouco tempo que a humanidade trocou os calcanhares pelos motores e nossa biologia ainda não é completamente adaptada para essa nova realidade. A verdade é que andar de carro confunde sua cabeça, literalmente: o cérebro recebe sinais de que está se mexendo e que está parado, ao mesmo tempo.

O ouvido interno é responsável por manter o equilíbrio do corpo. Para isso, ele conta com líquidos que se movimentam de acordo com seu movimento. É por isso que, mesmo vendado, você sabe se está deitado ou de pé, reto ou inclinado. O movimento do carro faz com que os líquidos do ouvido interno se desloquem, e, com isso, o corpo sabe que não pode estar parado.

Mas os seus olhos e seus músculos dizem outra coisa. Especialmente para quem está sentado no banco de trás, tudo que os olhos veem é o interior do carro, sem movimento algum. Suas pernas também não se mexem.

O cérebro lê a confusão dos sentidos como sintoma de um possível envenenamento. Em termos evolutivos, as causas mais prováveis de desencontro dos sentidos, ao menos na natureza, são neurotoxinas. É por isso que o estômago acaba envolvido em um problema de equilíbrio e movimento.