Petrobras pode avaliar política de hedge para diesel após fim de subsídio

A Petrobras deve estudar a possibilidade de utilizar operações de hedge (um mecanismo de proteção financeira) para evitar um excesso de volatilidade nos reajustes do diesel, após o encerramento de uma política de subsídios ao combustível no Brasil que deve vigorar até o final do ano, disse a jornalistas nesta segunda-feira (10) o presidente da petroleira, Ivan Monteiro.

A fala vem após a estatal ter anunciado na semana passada uma política de hedge para a gasolina que já entrou em vigor. A nova política permitirá à Petrobras aumentar os intervalos de reajustes nos preços da gasolina nas refinarias em até 15 dias, com o objetivo de dar mais flexibilidade à sua política de preços.

“A gente vai olhar principalmente o que está acontecendo em relação a essa experiência na gasolina e eventualmente poderia aplicar no diesel também… agora ainda é muito preliminar… é algo que a gente pode vir a fazer também para o diesel, mas até o momento sem nenhum tipo de decisão interna na companhia”, disse Monteiro, durante coletiva de imprensa em São Paulo.

Também presente ao evento, o diretor-executivo de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão da petroleira estatal, Nelson Silva, afirmou que representantes da Petrobras iniciaram, há duas semanas, encontros com economistas de candidatos à Presidência da República, para apresentar o plano de negócios da companhia.

O executivo, que não detalhou com quais representantes de candidatos já foram feitas reuniões, pontuou que os encontros têm sido “cordiais e interessantes” e continuam ocorrendo.

Segundo Ivan Monteiro o disse que o futuro do programa do governo de subvenção ao diesel não foi discutido nos encontros com assessores de candidatos.

Fonte: G1

Imagem: Reprodução/Internet