Início Política Brasil População cobra melhorias em UBS de Diadema

População cobra melhorias em UBS de Diadema

Infiltrações, rachaduras, falta de materiais básicos e buraco no teto são alguns dos problemas pontuados por moradores sobre a UBS (Unidade Básica de Saúde) Vila Paulina, na região do Eldorado, em Diadema. O local é a única alternativa de atendimento básico para os munícipes da área, afastada do Centro. Eles também ressaltam a demora para agendar consultas e a constante ausência de médicos na unidade.

Há pelo menos três meses, uma parte do teto no corredor lateral desabou e abriu um buraco no telhado. O problema segue sem solução até o momento. Para a comunidade, a Prefeitura informou que os reparos não serão realizados porque os atendimentos têm previsão de serem transferidos para imóvel mais novo na mesma rua. O bebedouro do local também está quebrado, sem previsão de manutenção pelos próximos dias, conforme os funcionários.

A dona de casa Elisângela Melo, 42 anos, ressalta que a UBS é a única opção para os moradores da região. “É frustrante saber que só temos aqui para vir. É o lugar mais próximo e precisamos disso. A estrutura está sempre assim, ruim. São sempre as mesmas reclamações”, ressalta.

A desempregada Shirlene Pereira, 37, conta que realizou um exame na perna em janeiro deste ano e até agora está aguardando o retorno com o médico da unidade. “É difícil contar com a ajuda daqui. Até agora não recebi nenhuma ligação para eu passar com o médico. Daqui a pouco meu exame vai vencer e vou precisar refazer e esperar tudo de novo”, lamenta.

Questionada pelo Diário, a administração municipal informou que as dependências da UBS utilizam duas pequenas casas alugadas e serão transferidas para único imóvel a partir desta semana. Conforme a gestão Lauro Michels (PV), o novo espaço é “mais amplo e foi reformado de acordo com as necessidades dos serviços ofertados”.

Em relação aos médicos, a Prefeitura observa que apenas a psiquiatra da unidade está afastada por motivos de saúde, mas que os usuários estão sendo atendidos no Caps (Centro de Atenção Psicossocial) Sul.

Fonte: Diário do Grande ABC

Deixe uma resposta