Prefeito de Mauá, Atila Jacomussi, é preso na Operação Prato Feito

Por Bianca Goes

A Operação Prato Feito, que investiga fraudes em contratos de merenda escolar, foi deflagrada em 30 cidades do estado de São Paulo. No ABC, São Bernardo do Campo e Mauá estão na lista das investigações.

Ao todo, foram efetuados 19 mandados na região, sendo 5 em Mauá e 8 em São Bernardo. Santo André, também está na lista por sediar empresas que são investigadas no processo.

Na madrugada desta quinta feira (10), o prefeito de Mauá, Atila Jacomussi, foi detido pela Polícia Federal e pela Controladoria Geral da União, que indicou fraude nos contratos das merendas escolares. Na casa de Jacomussi foram encontrados R$87 mil em espécie.

O secretário de Governo e de Transportes, João Gaspar, também é acusado de participar do processo e R$558 mil foram encontrados em sua residência. Gaspar, foi preso na manhã desta quinta-feira e seria um intermediador de propina.

Em São Bernardo, a Polícia Federal investiga contratos da gestão do PT, entre 2013 e 2016, da gestão de Luiz Marinho. Segundo inquéritos da Polícia Federal, o primeiro Relatório do Tribunal de Contas da União identificou que São Bernardo era o município que destinava o maior valor de verbas federais à empresa ERJ, sendo que em 2014 as despesas foram na ordem de R$26,9 milhões de reais.

O esquema era feito da seguinte forma:

Empresários que tinham interesse em obter contratos públicos na merenda escolar procuravam lobistas para obter acordos.

Os lobistas, eram os responsáveis pelo contato direto com agentes públicos para levar as sugestões dos empresários.

E por fim, os prefeitos ou agentes públicos consideravam os pedidos dos lobistas e iniciavam os processos de fraude.

Os contratos tinham valores irregulares com acréscimos e eram direcionados para empresas do esquema vencerem, onde havia sobra de recursos  e a propina era dividida entre os empresários, lobistas e os agentes públicos do esquema.