Zerbini inocenta Capez de envolvimento com a CPI da Merenda

image_largeDa redação

O deputado estadual Marco Zerbini (PSDB), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura superfaturamento, desvio de recursos e pagamento de propina em contratos da merenda escolar do governo Geraldo Alckmin (PSDB), inocentou na última terça-feira (28) o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), acusado em delação premiada de receber propina.

Zerbini fez a afirmação sem sequer ter ouvido Capez, ou qualquer outra testemunha do caso, nem ter tido acesso aos documentos da operação Alba Branca, que investigou o esquema.

Antes, o presidente da CPI havia declarado que não podia ouvir ninguém ou fazer julgamentos antes de ter acesso aos documentos da Polícia Civil e do Ministério Público. No entanto, essa posição preocupa a oposição por postergar os trabalhos de investigação da comissão, já que o próprio Zerbini não espera que os documentos cheguem logo. “Não creio que em menos de três semanas cheguem os documentos”, afirmou.

Os pedidos de documentos da Operação Alba Branca foram aprovados hoje e serão encaminhados para o Ministério Público, a Polícia Civil e o Tribunal de Justiça de São Paulo. Também foi encaminhado pedido à Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo, sobre a sindicância interna aberta pelo órgão para apurar o esquema de corrupção.

A oposição quer a convocação de, pelo menos, três pessoas para iniciar as apurações: o ex-presidente da Coaf (Cooperativa Orgânica da Agricultura Familiar), Cássio Chebab – disse em delação premiada repassar valores a deputados federais, estaduais e funcionários do governo Alckmin; Luiz Roberto dos Santos (o ‘Moita’), ex-chefe de gabinete da Casa Civil do tucano; e Fernando Padula, ex-chefe de gabinete da Secretaria Estadual da Educação.