Início Estilo de Vida Saiba como evitar a Doença do Beijo durante o Carnaval

Saiba como evitar a Doença do Beijo durante o Carnaval

Da redação

Para a maioria dos foliões, Carnaval é sinônimo de muita festa, brincadeira e beijo na boca. O problema é que o beijo pode transmitir uma doença chamada mononucleose infecciosa, popularmente conhecida como Doença do Beijo.

Causada pelo vírus Epstein-Barr, a mononucleose é altamente contagiosa e, embora também possa ser transmitida por transfusão de sangue e contato sexual, o vírus é principalmente transmitido pela saliva. A doença atinge qualquer faixa etária, mas é bem comum nos primeiros anos de vida e depois entre adolescentes e jovens adultos.

A doença costuma ter evolução benigna, de duração de, em média, três semanas, e os principais sintomas são febre, dor de garganta, e aumento de gânglios, algumas vezes doloridos. Também pode ocorrer o aparecimento de erupção cutânea, deixando a pele avermelhada e com aspecto de lixa em cerca de 10% dos casos.

Sua propagação é facilitada pela excreção completamente assintomática e intermitente do vírus Epstein-Barr na saliva de pessoas que um dia já entraram em contato com esse agente. Assim, pessoas saudáveis transmitem o vírus para pessoas susceptíveis, e o contato próximo do beijo proporciona a troca de secreções e a aquisição do vírus de uma pessoa infectada.

O diagnóstico clínico nem sempre é fácil porque outras viroses também apresentam quadro clínico semelhante. No momento da análise, o médico tem que se basear na história epidemiológica, quadro clínico e em exames complementares sugestivos.