Santo André: febre amarela não causou morte de pedreiro, afirma Instituto Adolfo Lutz

Na tarde de ontem (22), durante lançamento da campanha de vacinação para prevenção da febre amarela “Não Vacile. Vacine-se”, a Prefeitura de Santo André confirmou a informação divulgada pelo Instituo Adolfo Lutz de que o pedreiro Eli José de Oliveira Silva, 56 anos, não morreu em decorrência da febre amarela.

Eli faleceu no último dia 14, no Hospital Bartira, localizado em Santo André – cidade onde residia. A suspeita era a de que o vírus teria sido contraído durante viagem ao município de Dourados, no Mato Grosso do Sul.

Embora o atestado de óbito alegasse que a morte foi decorrente de infarto agudo e ruptura de parede do miocárdio (coração), médicos da unidade de Saúde chegaram a colher exame de sangue do paciente após o óbito para investigar se a vítima estava com a doença. No entanto, laudo divulgado ontem (22), pelo Instituto Adolfo Lutz, descartou a presença do vírus. Até o momento, nenhum caso foi confirmado em municípios da região.