Santo André financiou projeto que colocou o PT na presidência, diz Ailton Lima

ailton-limaPor Marianna Fanti

Em entrevista exclusiva ao Portal da TV+, o vereador e pré-candidato a Prefeitura de Santo André, Ailton Lima (SOL), afirmou que os embates tendem a ficar mais vigorosos em final de mandato e ano eleitoral.

Oposição ao governo

“Na realidade eu nunca fiz oposição sistemática na câmara, aliás discordo desse termo, o PT é que faz isso quando não está na situação. Geralmente o PT quer destruir qualquer que seja o governo quando não é ele. Eu discordo dessa forma”, enfatizou o parlamentar que define sua postura do Legislativo como “justa”. “Estivemos (vereadores) pontuando muitas coisas que não concordamos na cidade, mas nada que atrapalhasse a gestão do prefeito Carlos Grana (PT), pelo contrário, votamos parecer favorável na maioria dos projetos que ele enviou para câmara”, disse.

O vereador citou como exemplo projeto encaminhado pelo Executivo, em que a maioria dos parlamentares foram contrários. tratava-se da venda de 14 terrenos que somavam cerca de R$ 27 milhões de reais. “Fui contrário porque achei fora de propósito o prefeito vender terrenos nessa altura do campeonato – no final da gestão”, explicou. “Além do mais, não foi dito o que seria feito com esse valor, e ao meu ver, creio que o objetivo seria cobrir rombos das cotas públicas, as quais eu acho que ele deveria ter cuidado melhor”.

Pré-candidatura

A convite do Solidariedade, partido ao qual é filiado, Ailton entrou na disputa pelo Paço Municipal, figurando sua quinta campanha eleitoral – na primeira obteve cerca de dois mil votos; na segunda quatro mil, na terceira quase seis mil, e na última (em 2014) 22 mil votos para deputado federal. “Isso foi suficiente para que o partido entendesse que Santo André precisa de um nome e projeto novos”, defendeu o parlamentar que exerce seu segundo mandato na câmara.

Semasa

“Esta é uma questão que fomos verificar de perto. Há um ano nos reunimos com a presidente da Sabesp que está muito tranquila com relação a posição da empresa”, disse Ailton. “Acontece que Santo André deu um calote nas contas públicas – ficamos dois anos e meio sem pagar a Sabesp, e hoje o Semasa deve quase três bilhões de reais”, afirma o vereador. O parlamentar ainda questiona para onde foi direcionado o dinheiro recebido da população. “Esse rombo vem desde a gestão Celso Daniel (PT), e os demais prefeitos não trataram do assunto como deveriam. Eu entendo que a Sabesp tem razão nessa demanda, por mais que se discuta sobre os valores da tarifa. Uma coisa é valor abusivo, outra coisa é consumir e não pagar, e foi isso que Santo André fez”, reitera.

Precatórios

Para Ailton Lima, boa parte dos problemas enfrentados hoje pelo município, tiveram seu início na gestão do então prefeito Celso Daniel. “Esse projeto do PT ter ganho o Brasil inteiro chegando a presidência da república, boa arte disso foi financiada pela nossa cidade, por isso nos encontramos em tamanha dificuldade”. Lima cita ainda os altíssimos valores dos precatórios, endividamento com o Semana, rombo nas contas públicas e o problema no fundo de pensões. “Quer dizer, pelo que temos notícia, saiu daqui (Santo André) esses financiamentos de campanhas milionárias que aconteceram no passado no país inteiro”, sugere o parlamentar. “E para piorar, se perdermos a demanda dos precatórios na justiça nossa cidade ficará completamente inviabilizada financeiramente”. Por todos esses motivos, Ailton acredita que o próximo gestor deverá ter muito trabalho pela frente, além de habilidade e gestão para deixar a cidade funcionando com o mínimo necessário.

Propostas

Em suas visitas pela cidade, o vereador percebeu quatro áreas prioritárias: Saúde, Educação, Desenvolvimento Econômico (emprego, trabalho e renda), e Segurança. “Entendo que o eixo principal deva ser a retomada das indústrias em nossa cidade, pois ainda temos uma boa estrutura para recebê-las”, enfatiza Ailton que defende a construção de um parque tecnológico, aliado a uma lei que incentive essas empresas a retornarem a nossa cidade.