Santo André lança Programa Operação Chuvas de Verão 2018

A Prefeitura de Santo André lançou nesta quinta-feira (6/12) o POCV (Programa Operação Chuvas de Verão) 2018. A iniciativa, por meio da Defesa Civil, segue até 15 de abril de 2019, reforçando ações de acompanhamento e vigilância 24 horas para as chuvas. Neste ano, a operação conta com uma novidade: o envio de alertas da Defesa Civil por WhatsApp. O lançamento da operação ocorreu no novo piscinão do Jardim Irene, reservatório construído pelo Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) para reter as águas do córrego André Magini e minimizar enchentes e alagamentos na região.
 
A partir do Programa Operação Chuvas de Verão, as equipes realizam acompanhamento e vigilância 24 horas para atuar em casos de enchentes, solapamentos de margens de córregos, movimentação e deslizamento de terra, abalos estruturais e quedas de árvores. Antes do início do POCV, há um intenso trabalho de formação de núcleos comunitários de proteção, ações educativas, manutenção do sistema de drenagem urbana e monitoramento dos rios e córregos que cortam o município.
 
 
WhatsApp e SMS
O sistema de alertas preventivos funciona baseado no monitoramento que é realizado pela Defesa Civil e os vários sistemas meteorológicos disponíveis. As mensagens incluem alertas de chuvas fortes, ventos, cuidados com raios, baixa umidade, baixas ou altas temperaturas, entre outras informações.
 
Interessados em receber os alertas devem mandar uma mensagem via SMS ou WhatsApp para o número (11) 99584-5372, informando o nome e o bairro onde moram e a frase “Quero receber o alerta de chuva”. O serviço é gratuito. É possível também se cadastrar pelo site http://smscadastroalertadechuvasantoandre.blogspot.com/.
 
Piscinão e drenagem
O piscinão do Jardim Irene já está pronto para funcionar em situações de chuvas intensas, retendo as águas do córrego André Magini e minimizando possíveis enchentes ou alagamentos na região. O reservatório beneficia cerca de 40 mil moradores do Jardim Irene, Parque João Ramalho e parte do bairro Guarará.
 
O Semasa tem realizado diversas outras ações de drenagem na cidade. Nos últimos dois anos, a autarquia finalizou a canalização do córrego Guaixaya (beneficiando a região do Parque das Nações), iniciou a operação de um piscinão subterrâneo na região do Homero Thon, fez importantes obras de contenção de margem do rio Tamanduateí e construiu uma nova ponte na avenida dos Estados, ampliando a vazão do rio no trecho da obra.
 
Para o próximo ano, o Semasa espera iniciar a canalização do córrego Cassaquera, entre as avenidas Giovanni Batista Pirelli e Fernando Costa, construção de um piscinão na avenida Capitão Mário Toledo de Camargo, que vai minimizar os riscos de transbordamento do córrego Guarará e combater as enchentes na Vila América, além da criação de um novo sistema de monitoramento de chuvas para toda a cidade, em apoio à Defesa Civil. Para isso, está em fase final de negociação para contratar operação de crédito junto ao CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina).
 
Outros projetos do Semasa para a região do Guarará são a canalização do córrego em um trecho próximo à estrada da Cata Preta e a construção de mais 7 piscininhas na Vila Pires. No mesmo bairro, já existem sete tanques do tipo com capacidade de 4.500 m³ no total. Para a região do ribeirão dos Meninos, há ainda a previsão de construção de um piscinão no bairro Sacadura Cabral.
 
Monitoramento
Uma das importantes tarefas realizadas durante o Programa Operação Chuvas de Verão é o monitoramento diário dos radares e pluviômetros que o Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais) possui na cidade, além de monitoramento de cinco estações meteorológicas do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), que medem os índices pluviométricos, temperatura, umidade relativa do ar e velocidade dos ventos. Por meio da análise destas medições, é possível manter uma escala de alertas para os temporais, que vão desde o estado de prontidão, passando para atenção, alerta e por fim, alerta máximo, quando são necessárias medidas emergenciais.
 
Ações complementares se somam ao monitoramento constante dos rios e córregos, como vistorias em edificações para evitar construções irregulares, indicação de necessidade de limpeza de equipamentos públicos de drenagem para prevenir alagamentos e sobrevoos em áreas de risco para evitar ocupações de espaços sujeitos a deslizamentos. Durante todo o ano, nos meses que antecedem o verão, a equipe técnica da Defesa Civil organiza uma agenda de atividades educativas e realiza cursos e formações sobre percepção de risco, prevenção de acidentes domésticos, mudanças climáticas, monitoramento meteorológico, entre outros temas importantes.
 
A Defesa Civil tem um levantamento minucioso das áreas de risco da cidade e as classifica em níveis que caracterizam os diversos tipos de riscos, como de inundação, enxurradas, deslizamentos e solapamentos. As áreas mais sensíveis do município, segundo o estudo, são Jardim Irene, Jardim Santo André, Vila América, Recreio da Borda do Campo, Cata Preta, Núcleo Espírito Santo, Sítio dos Vianas, Vista Alegre e bacia do Rio Tamanduateí.
 
O diretor do Departamento de Proteção e Defesa Civil, Rafael Antonio Teixeira Neves, reforçou a importância de um bom entrosamento com a população. “Estamos em uma época em que as chuvas estão mais presentes e precisamos trabalhar para termos segurança durante as chuvas. Essa é a base do nosso programa lançado hoje, alertando os moradores que também podem receber nossos SMS e mensagens via WhatsApp ou ainda interagir pelo aplicativo do Consórcio Intermunicipal chamado Alerta ABC, que também ajuda a população a saber onde estão as maiores regiões de risco na cidade e saiam às ruas com segurança”.
 
Manutenções preventivas
O Semasa realiza um intenso trabalho de manutenção do sistema de drenagem na cidade. São realizadas 6 mil limpezas de bocas de lobo todo mês, além de 320 mil m² de roçagem de capinas de margens de córregos.
 
A limpeza manual e mecânica dos córregos em Santo André ocorre em todos os córregos alternadamente, de 5 a 6 vezes por ano, dentro de uma agenda preestabelecida e divulgada no site do Semasa. Nas margens do rio Tamanduateí, na avenida dos Estados, é realizada capina todos os meses, em trechos alternados.
 
Na avenida dos Estados, nas margens do rio Tamanduateí, é realizada capina todos os meses, em trechos alternados. Além disso, o Semasa também executa a limpeza de todos os piscinões municipais.