Secretário de Esporte de São Bernardo é barrado no baile da Tocha

jose-alexandre-devesa-secretario-de-sao-bernardo-com-a-tocha-e-o-uniforme-antes-de-ser-barrado-de-revezamento-1469472212612_v2_300x400
José Alexandre Devesa, secretário de Esportes de São Bernardo do Campo

Da redação

Após ter seu nome aprovado pelo Comitê Rio-2016 e ser escalado para carregar a tocha olímpica durante a passagem do revezamento por São Bernardo do Campo no último sábado (23), o secretário de Esportes de São Bernardo do Campo, José Alexandre Devesa, foi impedido de carregar o ícone momentos antes do início do trajeto pelas ruas do município.

Ele estava prestes a entrar no ônibus que leva os condutores aos seus pontos quando foi informado que estava proibido de carregar o objeto.

Devesa foi obrigado a devolver o uniforme dado a todos os carregadores e a tocha que havia adquirido pelo valor de R$ 1.985,19, e, inclusive, pensa na possibilidade de entrar com uma ação contra o Comitê.

O Comitê Rio-16 informou que existe uma norma para que ninguém que ocupa um cargo público ou seja filiado a partido político leve a tocha para que não haja cunho eleitoral. O órgão informou também que não há este problema se o condutor for um ex-atleta olímpico.

Image
Cidão, secretário de Esportes de Santos

Porém, durante o revezamento, diversas pessoas que ocupam cargos públicos – em secretarias municipais ou órgão do governo federal – e nunca disputaram uma Olimpíada carregaram a tocha sem nenhuma objeção, como por exemplo: o ex-jogador de vôlei e atual secretário de Esportes de Santos, Alcídio Mello, mais conhecido como Cidão; Marco Aurélio Klein, Secretário Nacional da ABCD (Agência Brasileira de Controle de Dopagem); entre outros.