Secretários de São Bernardo são investigados por desvios nas obras do Museu do Trabalhador

Da redação

Na manhã desta terça-feira (13) a Policia Federal cumpriu oito mandados de prisão temporária, 8 mandados de condução coercitiva e 16 mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Santos, São Bernardo do Campo, Barueri, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Destes, três são contra integrantes do primeiro escalão do governo de São Bernardo do Campo.

A ação visa desarticular esquema de desvio de recursos públicos federais do Ministério da Cultura para a construção do Museu do Trabalho e do Trabalhador, em São Bernardo.

 

Por volta das 13h desta terça-feira, os agentes saíram do Paço levando papéis que estavam na Secretaria de Obras.

Alfredo Buso, secretário de Obras; Osvaldo de Oliveira Neto, secretário de Cultura; e Sérgio Buster, secretário adjunto de Obras, tiveram as prisões temporárias decretadas pela 3ª Vara Federal de São Bernardo. Informações dão conta de que Tarcisio Secoli, secretário de Serviços Urbanos e ex-candidato à prefeitura da cidade e José Augusto Guarnieri Pereira, secretário de Administração também participaram da coercitiva.

Segundo a PF, a investigação aponta o desvio de recursos provenientes de projetos da Lei Rouanet e convênios do Ministério da Cultura com a prefeitura. Há indícios de superfaturamento de projetos, subcontratação ilegal de empresas sem licitação e duplicidade de objetos nos projetos de captação. A obra teve início em 2012, na gestão Luiz Marinho (PT), e deveria terminar em noves meses, mas até hoje não foi finalizada.

Em nota, a Administração de São Bernardo disse que é a maior interessada em que tudo seja esclarecido e que está à disposição das autoridades competentes para fornecer as informações necessárias. “A Prefeitura tem certeza que nenhum desvio institucional foi cometido nesta obra”, completou.