TCE rejeita contas de Paulo Pinheiro e Lauro Michels

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) rejeitou novamente as contas do ex-prefeito de São Caetano do Sul, Paulo Pinheiro, e do prefeito reeleito de Diadema, Lauro Michels, referentes aos exercícios de 2014 e 2015, respectivamente.

A condenação de Pinheiro foi resultado de diversas irregularidades administrativas como ausência de metas de governo e falta de transparência ao não divulgar repasses financeiros a entidades. Além disso, naquele ano, o Palácio da Cerâmica gastou 63% da receita com folha de pagamento. O TCE também citou a existência de servidores que constavam como ativos no quadro de funcionários terceirizados da FUABC (Fundação do ABC) e até funcionários que recebiam salário maior que o do próprio prefeito, então na faixa de R$ 20 mil.

No caso de Michels, o tribunal rejeitou as contas porque o município deixou de repassar as contribuições previdenciárias ao Ipred (Instituto de Previdência de Diadema). Ou seja, R$ 13,43 milhões deixaram de entrar nos cofres públicos.