USCS divulga situação dos rios e córregos da região

Da redação

Pesquisa  realizada pelo departamento de saúde ambiental da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), indica que rios da região estão muito abaixo do pior nível estipulado pelo Conama (Conselho Nacional de Meio Ambiente) em conformidade com os parâmetros da resolução 357.

A represa Billings, por exemplo, é classificada como classe 2: serve para abastecer consumo humano após tratamento convencional e irrigar frutos e hortaliças. Mas ao comparar a águas dos 166 pontos com os critério da classe 2, o IPH apontou apenas 41 pontos em bom estado contra 23 em 2015. 68 foram os pontos regulares em ambos os anos. 32 ruins, 21 péssimos em 2016. No passado foram 42 ruins, 31 péssimos.

 

Os 35 km do Tamanduateí que cruzam Mauá, Santo André, São Caetano e São Paulo, de acordo com a pesquisa, tiveram 29 pontos analisados. Apenas três em bons estados e todos na nascente em Mauá. Os demais são péssimos. O Tamanduateí é rico em bactérias que causam graves doenças.

Basicamente, o que suja os rios locais são resíduos industriais, esgoto de moradias e coliformes fecais que usam os corpos d´água como canal de despejo. O problema é que essa água é coletada pelas estações de tratamento que, não usam possuem a tecnologia suficiente para barrar certas bactérias, metais pesados e remédios que voltam para o abastecimento.