Você sabia que 7 em cada 10 voos de táxi aéreo são clandestinos?

Há pelo menos dois anos a procura por voos executivos (passeios, trajetos para o litoral, entre outros) teve uma queda. Esta diminuição do táxi executivo é resultado do aumento exponencial do transporte aéreo pirata – denominado “TACA” pela Associação Brasileira de Táxi Aéreo (Abtaer).
O Taca (categoria de voos piratas) nada mais é do que a utilização de helicópteros e pequenos aviões particulares para voos fretados como táxi aéreo. Por exemplo, se um empresário tem um helicóptero próprio, ele não pode vender voos em sua aeronave. Isso porque para uma empresa de táxi aéreo conseguir operar é necessário homologações específicas, revisões exigidas pela ANAC, e para as aeronaves particulares é diferente o processo. Deste modo, os tacas conseguem ofertar preços de voos muito abaixo do mercado, atraindo passageiros.
A segurança dos passageiros é o maior risco neste caso, pois estas aeronaves e pilotos não passam pelas revisões exigidas para serviços de Táxi Aéreo.